quarta-feira, 15 de setembro de 2010

Evidências...


"O que não pode é admitir despedimentos arbitrários, por razões pessoais, de antipatia, razões injustas, é isso que se pretende impedir, que uma pessoa que não faz prejuízos à empresa, que cumpre deveres, seja despedida, é o que se pretende impedir com justa causa. Depois há muitos problemas que o legislador tem liberdade de garantir”

Aqui o professor se não se põe a pau, qualquer dia também vai corrido a socratino.

3 comentários:

  1. Já foi. Os da "verdade" não o quiseram para Provedor da Justiça.

    ResponderEliminar
  2. A Maloud diz logo o que há para dizer!

    :)))))

    ResponderEliminar