sexta-feira, 29 de novembro de 2013

Sem palavras...


"Ontem, senti uma revolta imensa, quando um aluno chegou à minha beira, a chorar compulsivamente, de tal forma que não conseguia articular uma palavra sequer. Os seus olhos eram os olhos de quem nada deve ter dormido, na noite anterior, e de quem, provavelmente, teria passado o dia a chorar. "O pai dele emigrou!" - diziam os colegas.
Que poderia fazer eu perante tamanho sofrimento de uma criança que se vê obrigada a separar-se de uma parte seu mundo? Que poderia dizer eu a uma criança que está a sofrer, como um adulto, perante a ausência de um dos pilares da sua vida? (Meu Deus, nenhuma criança deveria sofrer assim!). Bem, lá me enchi de coragem e tentei o mais que sei e que pude (lutando contra a minha tristeza e revolta interiores) enumerar as vantagens de ter o pai que luta pela família, um HERÓI que luta por dar uma vida mais feliz a ele e à sua mãe; as vantagens em ter um pai corajoso o suficiente para aguentar tamanha separação da sua família. Em suma, tentei mostrar-lhe o ORGULHO que ele devia ter no pai, para que esse sentimento se sobrepusesse à dor da sua ausência. Disse-lhe para falar para o seu coração, falar baixinho para si mesmo, como se o seu pai estivesse com ele, garantindo-lhe de que ele o ouviria. Falei-lhe ainda do poder da internet, que contribui em muito para atenuar as saudades... No fim da aula, o menino já exibia um lindo sorriso e o seu sorriso foi tudo para mim.

-Paula Allen, professora neste Portugal sob o jugo da austeridade"

retirado daqui

quarta-feira, 27 de novembro de 2013

Está instalada a bagunçada



[...]Como no melhor pano cai a nódoa e como a tentação do activismo seduz mesmo os tribunais mais contidos, o Tribunal Constitucional resolveu então substituir-se ao legislador e, para salvar a lei de nova e irremediável sentença de inconstitucionalidade, inventou uma interpretação jurídica segundo a qual acordos de regulamentação colectiva poderiam posteriormente, contra o expressamente disposto e querido pelo legislador, estabelecer horários mais reduzidos. [...] O Tribunal Constitucionalsalvou o Governo de nova declaração de inconstitucionalidade, mas com o custo inerente de dissipar qualquer laivo de racionalidade na alteração legislativa em causa. [...] Paradoxalmente, no mesmo dia em que o Tribunal Constitucional decidiu assim, aprovou um outro acórdão, relatado curiosamente pelo mesmo juiz, em que se considerou inconstitucional o decreto legislativo regional (dos Açores) que fixava o horário dos trabalhadores da Administração Pública Regional em 35 horas. Pois afinal, aquilo que o Tribunal Constitucional não admitiu que a Assembleia Legislativa Regional fizesse através de lei permite, no mesmo dia, que o governo regional venha a fazer sem qualquer dificuldade através de acordo negocial…

excertos do texto de José Reis Novais no Público



segunda-feira, 25 de novembro de 2013

Femicídios



Trinta e três mulheres foram mortas este ano vítimas de violência doméstica em Portugal. Aparentemente há um progresso positivo em comparação com os dados de 2012 em que foram assassinadas 40 mulheres. Mas o ano ainda não chegou ao fim... até agora 43% das vítimas tinham entre 51 e 64 anos, logo seguido do grupo etário com mais de 65 anos, 21%.

domingo, 24 de novembro de 2013

Solilóquios (49)

Estive a tentar ouvir António José Seguro que foi até Almeirim arengar aos militantes e a verdade é que adormeci. Entretanto apanhei esta entrevista de Medeiros Ferreira  e não dei o tempo por perdido. A ver vamos como diz o cego...

sexta-feira, 22 de novembro de 2013

"O Governo rebentou com tudo"



Ontém 21 de Novembro foi o primeiro dia do resto das nossas vidas. A Aula Magna cheia como um ovo, ouviu Mário Soares, Ruben de Carvalho, Pacheco Pereira e Marisa Matias zurzirem no governo e na desgraça de presidente da república que o mantém e protege. Lamentavelmente  o Partido Socialista, para além de Mário Soares que paira já num plano superior, não enviou uma voz que interviesse em nome do partido, não  sendo porém de estranhar uma vez que enquanto decorria a sessão na Aula Magna, Francisco Assis esforçava-se nas tv's por deitar água na fervura, não fosse dar-se o caso dos polícias assaltarem o "palácio de inverno".

Noutro plano Manuela Ferreira Leite, sempre com preocupação de não beliscar o seu amigo Cavaco, chamava atenção para o facto de as universidades não serem meros departamentos administrativos do governo, mas parceiras do governo com autonomia própria e não poderem ser tratadas a pontapé como uma qualquer direcção geral a quem o governo retira verbas de forma administrativa, sallientando o perigo gravissimo de as universidades poderem vir a cair nos ranking internacionais com efeitos nefastos incalculáveis de prejuízo para o desenvolvimento do país. Hoje Sobrinho Simões dá uma entrevista onde explica o que está em causa.

Entretanto a UE parece começar a acordar para o pesadelo que a espera no caso de um  Portugal manso, se tornar inesperadamente bravo. É preciso apertar o cerco a esta gente.


terça-feira, 19 de novembro de 2013

Basta!



Alguém teria de começar a dar murros na mesa. Não se pode lidar com punhos de renda com uma corja que só conhece o método da moca da Rio Maior para resolução dos problemas do país.

segunda-feira, 18 de novembro de 2013

O orgulho parolo do "bom aluno"




Portugal e Irlanda, descubra as diferenças. Portugal e o  triste fado de ser governado por um parolo deslumbrado "além da troika" que comprou uma teoria  liberal como suporte ideológico para chegar ao poder, não tem a mínima noção do que tem andado a pedir aos portugueses. Uma cavalgadura vendida aos portugueses, sabemos agora, como.

sábado, 16 de novembro de 2013

Porque dia não são dias...


Foto de Armando França publicada no Irish Time. The art by Cristiano Ronaldo!

(via timeline de Rui Bebiano no FB)

Bom fim de semana.

sexta-feira, 15 de novembro de 2013

Ascensão e queda...


Coisas que eu preferia nem saber..., mas como diz a outra, não há coincidências:

"Álvaro Santos Pereira, do Desmitos, foi para ministro da Economia; Carlos Sá Carneiro entrou para adjunto do primeiro-ministro; Pedro Correia foi para o gabinete do Relvas; Luís Naves também, mais tarde; João Villalobos para a secretaria de Estado da Cultura; Carlos Abreu Amorim para deputado e vice-presidente do grupo parlamentar; Ant´nio Figueira, do cinco Dias, e de esquerda, foi trabalhar com o Relvas; Francisco Almeida Leitee para o Instituto Camões; Vasco Campilho foi para algo ligado aos Negócios EstrangeiroS; José Aguiar para o AICEP; Pedro Froufe para a comissão de extinção das freguesias; o CDS também recrutou no 31 da Armada. Houve outros. Só em ministros, secretários de Estado e assessores foi uma razia em blogues como o Albergue Espanhol, o 31 da Armada, Delito de Opinião, o Insurgenye, o Blasfémias, etc.

quinta-feira, 14 de novembro de 2013

Cócó, Ranheta e o Facada




"Acontece que os americanos estão muito contentes com o trabalho da ex-ministra e o embaixador cessante nunca se fez rogado nos elogios à gestão de Maria de Lurdes Rodrigues, o oposto do que sucedeu no mandato de Rui Machete, que foi alvo de violentas críticas pelo fausto e despesismo da sua gestão."...


quarta-feira, 13 de novembro de 2013

Triste Europa...



A notícia não é de hoje, mas ilustra bem a desorientação que grassa nas hostes do "politicamente correcto" e do relativismo cultural. Se eu convido para minha casa alguém com hábitos diferentes do meus, espero que o meu convidado se conforme com as minhas maneiras, da mesma forma que, quando ele me convida para sua casa, eu me  esforço por me adequar às suas. São questões básicas de princípio e de respeito mútuo. Se alguém não entende esta forma de estar e de conviver num mundo tão diverso, então não é digno da minha atenção, nem confiável para ser meu hóspede.

Quando a foto de Catherine Ashton foi retocada para poder ser publicada na impresa iraniana, (assunto da esfera exlusiva da imprensa iraniana) a representante da União Europeia entrou num processo esquizofrénico de auto vigilância na escolha do seu vesturário para os encontros com os representantes do Irão, levou o seu zelo ao paroxismo com resultados caricatos como este que aqui se expõe... . Estas cedências não nos ajudam, são ridiculas, tristes e não contribuem para apaziguar seja quem for. Ao não afirmarmos com dignadade os nossos valores, auto mutilamo-nos e  passamos a ideia de que há qualquer coisa que não está bem e de que nos deveriamos envergonhar, não nos podemos surpreender que os outros não nos respeitem.

terça-feira, 12 de novembro de 2013

A sucessão...



... "travar a imagem de degradação do grupo (e dos dois banqueiros) afectada por multiplos escândalos (Portucale, Submarinos, Escom, Mensalão, Operação Furacão, Monte Branco, Akoya,  privatizações da EDP e da REN, transacções com títulos da EDP Renováveis)"...

segunda-feira, 11 de novembro de 2013

Cada manchete cada minhoca



As trapalhadas do senil Machete, recrutado para o governo para colmater uma presuntiva carência de  respeitabilidade, tem-se revelado o maior erro de casting político do passarolas, a acrescentar a uma nave completamente à deriva. Nem o defunto Relvas causou tamanhos danos e estragos à credibilidade do país e aos portugueses. A tragédia maior é que ele, do alto da sua arrogância parece não se dar conta  do efeito devastador que está a causar, enquanto que  o primeiro-ministro,  para parecer um gajo teso, não o demite. Entretanto o país continua aos baldões, interna e externamente...

domingo, 10 de novembro de 2013

100 anos de Álvaro Cunhal



A Biblioteca Nacional de Portugal assinala o centenário do nascimento de Álvaro Cunhal com a realização de uma mostra bibliográfica e documental sobre a obra do "político, do escritor e do artista, personalidade incontornável do século XX português". Até 31 de Dezembro.

sexta-feira, 8 de novembro de 2013

Finalmente uma boa notícia....



Chega a Lisboa,  na sua única saída para o estrangeiro, a exposição Rubens, Brueghel, Lorrain- a paisagem nórdica no Museu do Prado,  57 obras primas em exposição no Museu Nacional de Arte Antiga de 3 de Dezembro a 30 de Março.

quinta-feira, 7 de novembro de 2013

Centenário de Camus



"Chega sempre um momento na história em que quem se atreve a dizer que dois e dois são quatro é condenado à morte."

" A estupidez insiste sempre".

Fonte : "A Peste"

terça-feira, 5 de novembro de 2013

Viva o SNS!



Acabei de chegar de um exame médico que implicou uma pequena anestesia. O "evento" como agora se costuma dizer em ambiente das redes sociais, ocorreu o Hospital Egas Moniz. Cheguei já no limite da hora marcada prevista para as 08:15, não contava com um trânsito tão cerrado na marginal (será o tal sinal do milagre económico de que falava o cervejeiro?) e com a pressa abeirei-me de um guichet para saber o local exacto onde riria decorrer a intervenção. O homem não deu mostras de me ter ouvido, fazendo-me sentir que deveria ter esperado na fila. Por fim compreendeu que para dar uma simples informação, uma pessoa com exame marcado não tem necessariamente de fazer fila e lá me encaminhou para o meu destino. Foi a única nota de menor urbanidade que registei. Como já fiz o mesmo exame numa clínica privada, quero aqui deixar claro que nada se diferenciou ao nível do acolhimento,  tratamento e recobro pós-exame dos cuidados que  recebi na clínica. A maioria das pessoas que durante anos se comprazia em dizer mal dos hospitais públicos e do serviço nacional de saúde num exercício estúpido de bota abaixo, deviam ter vergonha. 

segunda-feira, 4 de novembro de 2013

Tudo tem uma explicação...Portugal no coração...


O mistério da vinda de Poiares Maduro para o lugar de Relvas, acaba de ser revelado. Agora só falta saber o que estará reservado ao Lomba, mas estou segura que não  será dificil resolver, Maduro a seu tempo tratará do assunto.

Imagem: Jean Dieuzaide, Portugal 1950.

domingo, 3 de novembro de 2013

sexta-feira, 1 de novembro de 2013

La cucaracha, la cucaracha , ya no puede caminar....



Neste dia em que práticamente todos os nossos parceiros europeus, com a Alemanha à cabeça, gozam o feriado do dia-de-todos-os-santos, vou passar o dia a ler o guião da reforma do estado. Uma mulher não é de ferro e tem de se permitir alguns momentos de diversão...