sexta-feira, 28 de novembro de 2014

Anibalidades



Diz que sua Anibalidade recomendou aos investidores dos Emirados Árabes Unidos  que investissem em Portugal garantindo que, tal como num conto das mil e uma noites, aqui encontrarão tudo aquilo com sonham os árabes: Sol, mulheres bonitas e cavalos, não necessáriamente por esta ordem. 
Se isto fosse um país normal, decente, com um mínimo de orgulho de si próprio e com cidadania activa, sua Anibalidade já teria apresentado a renuncia ao cargo que tão mal exerce. Mas somos isto se vê e sabe e tudo continua nesta apagada e vil tristeza em estado de pesadelo.

quinta-feira, 27 de novembro de 2014

Pão e circo


"O país tem sido alvo de um conjunto de terramotos. Este caso [Sócrates] é o mais mediático e o mais emocionate para o país. Mas o caso mais preocupante para o futuro das instituições é o dos vistos gold. Esta ideia de, pela primeira vez, haver um processo que vai ao coração da administração do Estado, preocupa-me mais". 


Entretanto quatro meses depois da detenção para interrogatório o mesmo Juiz Carlos Alexandre enviou duzentos  inspectores da PJ realizar buscas na casa e escritório de Ricardo Salgado que pagou uma caução milionária para não ficar em prisão preventiva. Isto seria cómico se não fosse trágico.


quarta-feira, 26 de novembro de 2014

O Processo (1)


Mário Soares, figura tutelar do regime democrático, pai fundador do Partido Socialista, visitou hoje José Socrates na prisão de Évora. O velho combatente, à beira de cumprir 90 anos, não deixa os seus créditos por mãos alheias. Um homem com H grande, vertical, concorde-se ou discorde-se do que diz.

Entretanto parece que já ficaram pelo caminho as suspeitas de tráfico de influência... O Ministério Público diz que temeu que José Sócrates, depois de ter regressado de Paris para se entregar à Justiça, destruisse provas. Ora bem, depois das buscas que foram feitas à residência de JS que provas é que haverá susceptíveis de serem destruídas? A exemplo de outros casos lamentáveis, prende-se primeiro um ex-primeiro ministro e só depois se averigua? Pena o Banco de Portugal não ter seguido o mesmo método, se não tivesse deixado Ricardo Salgado à solta na Administração do BES o banco não teria estoirado nas ventas dos portugueses. E já agora, para Ricardo Salgado não há o perigo de destruição de provas? ou o pagamento de uma indemnização milionária "paga" as provas que forem eventualmente destruídas"

terça-feira, 25 de novembro de 2014

O estupor



Com o circo mediatico montado desde a manga do avião que transportou José Sócrates de Paris, as TVs informadas a cobrirem o acontecimento, era óbvio que as medidas de coação já estavam pré-determinadas. O circo mais não fez do que preparar a opinião pública para a inevitabilidade da prisão preventiva, devido a  perigo de perturbação de inquérito.

Portugal vive um momento particularmente delicado,  diz Francisco Seixas da Costa  num artigo intitulado "Reputação":  "Se, apesar do efeito reputacional destes eventos, o país não se afundar perante o mundo, só uma conclusão é legitimo tirar: já não somos nós que nos sustentamos perante o mundo, é apenas a nossa irrelevância no jogo global que nem sequer nos permite sermos sujeitos da nossa própria crise. Porventura é melhor assim."

Para o PS chegou o momento de arrumar a casa com discernimento, clarividência e determinação. Diz Pedro Lains , não se pode defender publicamente o ex-primeiro ministro e querer promover a eleição de António Costa.  

Está em causa a defesa do País, do regime democrático e do Partido Socialista.

sexta-feira, 21 de novembro de 2014

Affaire Lello


Já dizia a minha avó, quando a cabeça não tem juízo o corpo é que paga.
José Sócrates, o tão mal tratado ex-Primeiro Ministro, acabou em 2005 com as subvenção vitalícias a antigos detendores de cargos políticos, sem efeitos retroactivos, ou seja, quem já tinha, manteve, acabando para o futuro com esta subvenção. Uma vez que a poeira acabou de assentar e o bom senso voltou às galerias de S. Bento,  é preciso ser dito que não era a alteração esta resolução que esteve em causa durante todo o dia de ontém. O que esteve em causa foi a elementar falta de bom senso dos lellos deste mundo, foi o autismo técnico de argumentos de gente que surpreendeu pela falta de sensibilidade política. Foi triste.

quinta-feira, 20 de novembro de 2014

quarta-feira, 19 de novembro de 2014

No país dos lentes



É um pouco caricato assistir ao grande o coro embriagado de elogios, à esquerda e à direita do especto político, ao notável CV da nova Ministra da Administração Interna. Naturalmente que ter um curriculum de Lente de Coimbra, não será uma desvantagem, mas constituirá uma vantagem? Ao que parece a senhora do alto das suas competências académicas,  não possui o essencial: nem peso político nem perfil técnico para a pasta da Administração Interna. Quanto a eventuais qualidades políticas, duvido que tenha tempo de as revelar. A verdade é que não se percebe o que leva uma académica a integrar um governo moribundo pelo periodo de 10 meses...! O que é estranho é a oposição não dizer o óbvio, tendo até o BE "elogiado" o facto da nova titular da pasta ser "mulher". E se fossem levar com um pano encharcado nas trombas? E, para quem não tenha memória curta, lembram-se do coro embascado de elogios ao CV de Poiares Maduro, que até veio de Florença, selo de garantia de qualidades académicas, por comparaçãpo com o defunto Relvas ? Somos assim, tristemente embasbacados com os Lentes de Coimbra...

terça-feira, 18 de novembro de 2014

Parabéns João Vaz!


Notícias que não passam nas tv's que nos  massacram diáriamente  com informação futebuleira. João Vaz conquistou duas medalhas de prata no México e as TVs não estavam lá. 

segunda-feira, 17 de novembro de 2014

A demissão


Finalmente alguém bate com a porta e diz claramente ao primeiro-ministro que há limites que não podem ser ultrapassados sem que se atinja gravemente a dignidado do Estado, a autoridade dos agentes políticos e a credibilidade das instituições. A demissão de Miguel Macedo cumpre os mínimos dos mínimos, é uma atitude elementar em qualquer estado de Direito e só provoca uma onda de surpresa e de "elogios" porque em Portugal se atingiu o grau zero da política. Mas como bem salienta Miguel Abrantes no Câmara Corporativa, Miguel Macedo deixa uma bomba ao retardador. Veremos como Passos Coelho irá sair-se do seu próprio novelo.

sexta-feira, 14 de novembro de 2014

O terramoto insano


Portugal assemelha-se a um manicómio em que os loucos varridos gozam de perfeita liberdade e impunidade tendo fechado à chave a população indefesa, que massacra com as mais crueis vilanias. A ministra Teixeira da Cruz faz o papel de guarda do manicómio. Guarda a chave, inventa cabalas e sabotagens delirantes enquanto atormenta os pobres internados gritando-lhes diáriamente, "acabou a impunidade". O Crato qual  nerd sabichão, culpa o algoritmo para se desresponsabilizar do caos provocado no início do ano escolar.  O ministro unicer vai para a Assembleia da Republica  carregando uma grade de minis, provocando o espanto e o delírio entre os deputados. O alegado Primeiro_Ministro, a propósito do maior surto de legionella da história da humanidade a acrescer ao variado role de enormidades com que frequentemente brinda os portugueses, afirmou no seu linguajar aos supetões "acabaram-se as inspecções para justamente reforçar a capacidade de inspecção e de prevenção destes casos". Tratando de  reforçar o clima de insanidade, o Ministro da Saúde decreta que a resposta ao surto de legionella é um "sinal de vitalidade" do SNS.  Finalmente e para não desmerecer da tormenta geral, fomos invadidos pelos fumos intoxicantes da operação vistos Gold, cujos estilhaços atingem o circunspecto MAI.
A presidir a este manicómio, em  Belém paira uma figura sinistra cujo único propósito é passar por entre os escombros do terramoto.

quinta-feira, 13 de novembro de 2014

A inventona



" A sabotagem no Citius foi uma invenção do ministério da Justiça para manipular a opinião pública a seu favor, criando bodes expiatórios, tendo por objectivo queimar duas pessoas na praça pública". É esta a acusação proferida pela Ordem dos Advogados, referindo um eventual crime de denúncia danosa, depois de divulgado o despacho de arquivamento da PGR. Paula Teixeira da Cruz é hoje uma ministra só, perdida sob o fogo  da Magistratura e dos partidos, mantida exclusivamente pelo primeiro-ministro que decretou que ninguém sairá vivo ou morto do atoleiro deste governo, até ao dia das proximas eleições. O despudor arrogante com que se referiu no Parlamento aos seus servidores no ministério da Justiça, dão a medida do seu caracter moral, cívico e político e do estado de salve-se quem puder a que isto chegou.

quarta-feira, 12 de novembro de 2014

A desavergonhice dos tachistas



Assistiu-se ontem no espaço mediático a uma histeria homérica a propósito da taxa turistica de um euro que António Costa irá introduzir em Lisboa a partir de 2015, para todas a chegadas ao aeroporto e porto de Lisboa e em 2016, um euro nas dormidas em hoteis até um máximo de 7 euros.

O mote para a histeria foi dado pelo irrevogável Portas que agitou o papão da morte  galinha dos ovos de oiro, seria cómico se não fosse proferida por um membro do governo que privatizou a ANA onde  desde então as taxas de aeroporto já aumentaram sete vezes, aumentou 10% a taxa de IVA na restauração, que vai cobrar a todos os portugueses e aos turistas uma taxa de 10 cêntimos por cada saco plástico, que aumentará os combustíveis entre 5 e 6,5 cêntimos por litro em 2015, etc, etc a lista é longa.

Uma campanha de diatrites desproporcionadas e inqualificáveis no próprio dia em que se soube que o surto de legionella já tinha atravessado fronteiras, que a Organização Mundial e Saúde considerara como "uma grande emergência de saúde pública" sem que o irrevogável Portas tenha dado um pio sobre o impacto deste surto nos fluxos de turistas e na reputação do país como destino turistico seguro.

Uma campanha histérica só possivel num país de parolos, onde parece que se desconhece que a nossa vizinha Catalunha cobra uma taxa diária de 6 euros, Bruxelas 5 euros, já para não referir os 12 euros de Nova York, pratica comum em todas as grandes cidades europeias como Paris, Roma, Veneza e onde Lisboa como grande destino turistico europeu é  a grande excepção.

Uma histeria só possivel num país onde o governo trata os cidadãos como mentecaptos ignorantes e estes se deixam manipular. Foi inacreditável assistir ao desvario argumentativo de muita gente que considero sensata, como se de repente lhe estivessem a arrancar as unhas. Eu sei que estamos todos a precisar de travar um boa guerra, cansados e frustrados com tanta incompetência e massacre diários na nossas vidas, mas convém termos a clarividência de a escolhermos com cuidado.

terça-feira, 11 de novembro de 2014

Anibalidades




Sua anibalidade o presidente da républica perguntava ontém num tom entre indignado e o incomodado o que andaram a fazer os gestores e accionistas da PT. Sua anibalidade pretendia assim mostar o seu desagrado pelo inevitável desmembramento da PT, deixada entregue à voragem dos mercados. Será talvez útil sugerir a sua anibalidade que chame a Belém com caracter de urgência um tal Zainal Bava que sua anibalidade condecorou no passado 10 de Junho , alegadamente pelas excepcionais qualidades de  gestor e de serviços prestados ao país. Sua anibalidade é uma vergonha nacional. É um desespero ter de o aturar até 2016.

segunda-feira, 10 de novembro de 2014

Legionella e a crise



Por estes dias não há ninguém que não tenha já ouvido falar na Legionella. E no entanto todos os anos morre gente infectada por esta bactéria, com a diferença de que nunca tinha ocorrido um surto epidemiológico com a expressão da que  ocorre no Concelho de Vila Franca de Xira. A Legionella é uma bactéria que se desenvolve entre os 18º e os 45º, portanto no meio de temperaturas consideradas moderadas. Pelos dados da imprensa o pior ano foi 2012 com um total de 153 internamentos e 12 obitos. Ora, comparando com 2014 que regista neste momento 180 casos dos quais 160 confirmados e quatro obitos,  há aqui uma discrepância, ou os casos deste ano estão todos concentrados neste surto, ou falta-nos elementos relativos ao resto ao período de Janeiro a Novembro, ou presume-se que entre Novembro e Dezembro ocorram muitos mais casos. Mas o meu ponto é outro. O que quero salientar é que esta é uma bactéria que ataca em tempos de crise, porque as empresas e instituições deixam de fazer os controlos sanitários e ambientais a que estão obrigados por lei, contratam prestadores ao mais baixo preço sem garantia da qualidade da prestação de serviços, e toda a gente assobia para o lado como se não tivesse nada a ver com nada. 

quinta-feira, 6 de novembro de 2014

quarta-feira, 5 de novembro de 2014

A queda de um anjo



Está em marcha o processo de acumulação primitiva, pela via legal...,do capital em Timor-Leste. Qual é a surpresa?

terça-feira, 4 de novembro de 2014

Ai Timor....



Para variar o Portugal de Passos e Machete está novamente envolvido numa querela diplomática muito feia, desta vez com Timor Leste. Fala quem sabe sobre questões e meandros diplomáticos e a competência ou ausência dela na forma de lidar com a situação, refiro-me a Francisco Seixas da Costa  .
Portugal  de calças na mão, com o governo a ver navios...

segunda-feira, 3 de novembro de 2014

Somos mansos, lá isso somos...



Chama-se Eva Cabral, faz parte da célula laranja do Diário de Notícias que abancou com armas e bagagens no jardins de S. Bento na quota de Passos Coelho. Nunca li qualquer escrito da criatura e palpita-me que não perdi grande coisa. Na visita oficial do Primeiro-Ministro aos Açores, a dita senhora, que ocupa as funções de assessora de Passos Coelho dos assuntos sociais, provocou a estupefaçao dos presentes no autocarro que conduzia a comitiva ao aeroporto do Pico. Por qualquer razão o motorista terá hesitado, tendo a brutamontes investido - avance imediatamente, porque eu estou a mandar - , para logo a seguir ordenar - pare já o autocarro e abra a porta imediatamente - rematando com duas orelhas e um rabo - isto com gado corria melhor. 
O pobre motorista, habituado à pacatez e cortesia dos costumes insulares terá confessado que nunca tinha sido tão humilhado. Diz que no autocarro ninguém tugiu nem mugiu...

PS: a este propósito, deixo o link para um artigo do Tomás Vasques, que só li depois de publicado este post.