terça-feira, 30 de outubro de 2012

A grande conspiração



"Irei , ainda amanhã formalizar um convite ao PS para que se junte ao PSD e ao CDS-PP e,  neste caso, também ao Governo, para, entre o sexto e o sétimo exames regulares, da troika, programar a forma como haveremos de encontrar um programa de reavalição das funções  do Estado...Não é impossível que tenhamos de rever alguns aspectos da Constituição para esse efeito, mas não é uma pré-condição..."

segunda-feira, 29 de outubro de 2012

Refundidos...


"Posso compreender que é difícil equilibrar orçamentos do Estado, mas há limites à dignidade humana. Será que algum governante já tentou viver com o que pensar pagar-se num mês de subsídio mínimo de desemprego? E ainda pensa reduzi-lo? O que pensa um governante quando olha ao espelho e diz em voz alta que vai pagar esse valor em subsídio?"

Sabem os meus amigos quem foi o autor de tão arrojada escrita de pendor subversivo, este perigoso esquerdista? Pois trata-se nem mais nem menos  do que João Duque na sua coluna "Confusion de Confusiones" no Caderno de Economia do Expresso. 
Chegados a este ponto, quando destacados membros da elite que ajudou Passos Coelho e tutti quanti a chegar ao poder, sentem repulsa e necessidade de se demarcar claramente da política de traição praticada por fanáticos, irresponsáveis mentirosos incapazes de lidar com a realidade, quando o Presidente da República se mantém num pesado silêncio desistindo de ser o porta-voz do povo que sofre, não restam dúvidas de que já fomos engolidos pelo abismo.

domingo, 28 de outubro de 2012

O ferrão da vespa



"É difícil perceber o que leva um ministro a propor uma medida tão deplorável como a redução dos subsídios sociais mais baixos, incluindo o subsídio mínimo de desemprego, desvalorizar essa iniciativa no mesmo dia, fazendo saber que ela pode ser retirada, e retirá-la efectivamente no dia seguinte. Parecendo uma anedota, isto aconteceu na realidade. O protagonista de tão bizarra forma de governar foi Mota Soares, titular de uma pasta que leva Solidariedade no nome.
[...]
O célebre aviso de que "há limites para os sacrifícios que se podem exigir aos cidadãos", lançado por Cavaco Silva no tempo em que ainda se dava pela sua presença na vida pública e quando era outro o Governo, caiu em saco roto. Agora a conversa é "estamos no limite da tolerância da troika. Só que os cortes nas prestações mínimas não foram impostos nem propostos pela troika. Tal como muitas outras decisões absurdas e reveladoras, ora de incompetência  ora de prepotência, ora de falta de tato, foram uma opção do ministro da Solidariedade com a qual nem sequer o seu colega das Finanças quis comprometer-se quando interrogado sobre ela.
[...]
A obediência cega do bom aluno é, aliás, uma contradição nos termos, porque o verdadeiro bom aluno nunca sofre de obediência cega. Perigosa, sim, é a atitude do marrão pouco dotado, mas convencido e carreirista que só pensa em agradar ao professor". [..]


Excertos do texto de Fernando Madrinha no Expresso

sexta-feira, 26 de outubro de 2012

A arte da guerra...



Mas alguém acredita que o prior do Crato esteja a correr o risco de colocar a "licenciatura" do relvado em causa? O homem limita-se a cobrir a retaguarda, digo eu...

quinta-feira, 25 de outubro de 2012

O cavaleiro da triste figura



As razões de saúde não devem ser alheias ao estado da nave de loucos descontrolada em que está transformado o desgoverno da República. Lidou de forma larvar com o caso Mega Ferreira/ CCB, que deveria tê-lo feito pintar a cara de negro, assumiu a sua condição de hooligan, esquecendo as suas responsabilidades no governo, foi-se arrastando numa apagada de vil tristeza à espera da remodelação redentora que não chegou. Sai pelo seu pé, ao menos isso.

quarta-feira, 24 de outubro de 2012

O ministro, a marinière e o robot...



Arnaud Montebourg ministro da Indústria de França passou das palavras aos actos na defesa do Made in France. Forte critico da globalização deu literalmente a cara pela promoção da industria francesa sem se preocupar com as vozes de burro que não chegam ao céu...

Desconfio é que os industriais portugueses estarão neste momento a fazer figas não vá o Álvaro, com aquele ar despachado que Deus lhe deu,  lembrar-se de copiar a ideia e lhes dê cabo do negócio....

terça-feira, 23 de outubro de 2012

Escrever direito por linhas... Portas


" O CDS-Porto acredita que os princípios que definem a política do dr. Luís Filipe Menezes não seriam benéficos para o Porto, pelo que resultariam um claro retrocesso para a cidade. Por isso, não podemos apoiar uma sua eventual candidatura à Câmara Municipal do Porto"

Ora, finalmente alguma animação debaixo do sol...

segunda-feira, 22 de outubro de 2012

Nós, os camelos



"Os Portugueses não têm nenhuma dívida com o Estado. Os trabalhadores pagam todos os seus gastos sociais. Quem vive do seu salário paga os seus gastos sociais. Segundo o Eurostat o conjunto do salário representa 50% do PIB e no entanto 75% de todos os impostos vêm dos salários."

 Ouvir aqui toda a entrevista de Raquel Varela, coordenadora do livro "Quem paga o Estado Social em Portugal"


domingo, 21 de outubro de 2012

sábado, 20 de outubro de 2012

Porque hoje é sábado...



Nunca o futuro foi tão incerto para todos quantos neste desgraçado país, dependem do seu trabalho para assegurar a sobrevivência.  
Bom fim de semana.

quarta-feira, 17 de outubro de 2012

Se correr o bicho pega, se ficar o bicho come



Desta feita a manobra saiu furada a Paulo Portas. Useiro e vezeiro em passar entre os pingos da chuva, taticista e convencido, deixou-se aprisionar pela troika interna Passos/Relvas/Gaspar, que riem  a bom rir do seu desespero, Portas está naquela situação em que perde se ficar e não é liquido que ganhe se romper.   Em próximas eleições o mais certo é  o partido dos contribuintes  voltar a ser o partido do taxi...

terça-feira, 16 de outubro de 2012

Afinal o que importa...





Afinal o que importa não é a literatura
nem a crítica de arte nem a câmara escura
Afinal o que importa não é bem o negócio
nem ter o dinheiro ao lado de ter horas de ócio
Afinal o que importa não é ser novo e galante
- ele há tantas maneiras de compor uma estante!

Afinal o que importa é não ter medo: fechar os olhos frente ao precipício
e cair verticalmente no vício
Não é verdade rapaz? E amanhã há bola
antes de haver cinema madame blanche e parola
Que afinal o que importa não é haver gente com fome
porque assim como assim ainda há muita gente que come

Que afinal o que importa é não ter medo
de chamar o gerente e dizer muito alto ao pé de muita gente:
Gerente! Este leite está azedo!

Que afinal o que importa é por ao alto a gola do peludo
à saída da pastelaria e, lá fora - ah lá fora! - rir de tudo
No riso admirável de quem sabe e gosta
ter lavados e muitos dentes brancos  à mostra


Mário Cesariny, Pastelaria
nobilíssima visão
assírio e alvim
1991

segunda-feira, 15 de outubro de 2012

De cabeça perdida



O homem diz que não estudou suficientemente as palavras do Presidente da República no facebook para se pronunciar sobre elas, e que as declarações do economista chefe do FMI, não são verdadeiras...

Se isto não é uma provocação, não sei o que é. Esta história não vai acabar bem


Zurradas


"Quando se comenta a luzidia e numerosa frota dos mais altos e menos altos dignitários, há sempre quem fale em demagogia e populismo. Que não é por aí que se resolvem os problemas do país. Que o miserabilismo, quando não a inveja, é nocivo para a nossa prodigiosa democracia. Que esta tem custos e, pelos vistos, não vingará sem automóveis alemães ao seu serviço, ao contrário de outras bem  mais ricas. Ora, a febre dos carros pretos de boa qualidade é uma doença crónica da política portuguesa e suficientemente dispendiosa para ser criticada sem falsos pudores. [...] Carlos Zorrinho desperdiçou a oportunidade de promover desde já uma redução, em números e em cilindrada, dos automóveis da bancada, começando pelo seu. [...] Nos dias que correm, imagens como as do cortejo automóvel à saída de Belém na noite do último Conselho de Estado, perante uma praça cheia de manifestantes, causam mais dano  à democracia do que mil discursos contra as mordomias do poder político."

Fernando Madrinha, Expresso


Este pessoal político ainda não interiorizou que os tempos excepcionais  que vivemos exigem mais do que simples economias mais ou menos expressivas em contratos da frota automóvel. Exigem pudor e comportamentos exemplares, que respeitem os brutais sacrifícios que estão a ser pedidos à maioria dos portugueses.. 


domingo, 14 de outubro de 2012

A brincar à cabra cega



"Se o crescimento da economia se revelar menor do que o esperado, o défice nomimal será maior do que o objetivo inicialmente fixado, porque a receita dos impostos é inferior ao previsto e as despesas de apoio ao desemprego superiores" [...]nas presentes circunstâncias, não é correcto exigir a um país sujeito a um processo de ajustamento orçamental que cumpra a todo o custo um objectivo de défice público ficado em termos nominais"


sábado, 13 de outubro de 2012

Porque hoje é sábado...




Goodbye - Bill Evans & Cannonball Adderley

Bill Evans - piano
Cannonball Adderley - alto saxophone
Connie Kay - drums
Percy Heath - bass

sexta-feira, 12 de outubro de 2012

Cherchez la femme



A coisa está a ficar cada vez mais picante e a procissão ainda vai no adro. Tendo em conta que a senhora era a secretária pessoal do dr. Relvas, e que  foi colocada no centro de uma pule de onze secretárias, onze,  no gabinete de Passos Coelho, tenho cá um palpite que esta história não acaba assim...
Não se percebe como é que este governo ainda se encontra em funções. Não fosse o candidato ao cargo um descendente dos miguelistas, a causa monárquica tinha já ganho uma adepta. 

quinta-feira, 11 de outubro de 2012

Cantigas de escárnio e maldizer...




E de repente o avô cantigas e o criador do monstro desataram a berrar aqui d'el rei que é um escândalo, que o governo não está preparado que não estudou e que fez erros que ficam para história.... ora se fossem os dois dar um grande volta ao bilhar grande, aproveitando que estou calma, porque não quero tornar este blogue num lugar mal frequentado....

quarta-feira, 10 de outubro de 2012

Cogitações de uma rapariga loira



1. Como é possível que ao fim de dois anos de políticas de austeridade duras com efeitos desastrosos na economia, no emprego, na qualidade de vida e dignidade das famílias, o FMI venha agora dizer que se enganaram de forma colossal quanto às medidas impostas aos países sob assistência financeira? 

2. Porque carga de água o Ministro das Finanças promove uma conferência de imprensa com pompa e circunstância para apresentar um programa devastador de aumento generalizado de impostos, que mais parecia uma cena sado de castigo dos portugueses, em que por exemplo a retirada da cláusula de salvaguarda do  IMI provocou o pânico generalizado dos contribuintes, para agora como facilmente percebe, se preparar da adocicar a pastilha? Então primeiro fazem um filme de terror para depois com medidas de cosmética o transformarem num filme de suspense? Mas esta gente anda a gozar connosco?

3. Na confusão em que se transformou a elaboração do orçamento para 2013, veio agora a lume a possibilidade do despedimento de cerca de 50.000 funcionários públicos com contratos a prazo. Querem ver que o governo se prepara para dispensar a catrefa de assessores que contratou para os gabinetes ministeriais, aos quais pagou os subsídios de férias e de natal que retirou aos funcionários públicos e pensionistas?

terça-feira, 9 de outubro de 2012

A teia do Foral



Naquele rigor linguístico/estilistico a que nos vem habituando, Passos Coelho explicou em directo e a cores para as televisões que teria exercido funções na fantástica e dinâmica Tecnoforma  durante os consulados do Engº Guterres e do Engº Socrates. Tem realmente muita graça, porque não se percebeu se a mensagem que o primeiro-ministro pretendeu passar era a de que no caso de se apurar conivência e favorecimento político na celebração dos contratos eles teriam ocorrido igualmente durante os consulados dos referidos governantes, e portanto com a sua conivência (?) , ou se foi só uma tentativa de atirar areia para os olhos de um povo cansado e farto destas never ending stories...

segunda-feira, 8 de outubro de 2012

Com a verdade m'enganas...



As leis são como as mulheres, existem para ser violadas. Só poderá admirar-se com uma tirada destas quem não conheça esta casta de indivíduos, o marialva em todo seu esplendor.


sábado, 6 de outubro de 2012

Mulheres de Portugal



Em homenagem a duas mulheres corajosas do 5 de Outubro do ano da desgraça de 2012, Ana Maria e Luísa Trindade, na cerimónia em que nem a bandeira escapou ao desnorte percebido no espírito dos nossos governantes...


sexta-feira, 5 de outubro de 2012

A República


Com a super estrutura do Estado em pânico, aterrorizada com a reacção dos portugueses, um emparedado no Páteo da Galé, o outro  fugido do país a coberto de uma reunião de quinta categoria, celebra-se hoje mais um aniversário da implantação da República. Não podia haver sinal mais evidente da decadência do regime.

quinta-feira, 4 de outubro de 2012

A miséria a galope



Sem que tenham sido anunciadas medidas concretas de cortes nas tão faladas gorduras, Passos Coelho mandou Gaspar anunciar em seu lugar o reforço da dose  de austeridade sem dó nem piedade sobre os do costume . Parecem já longínquos os tempos em que Portas enviava epístolas aos seus apóstolos, e  Passos Coelho dizia na Universidade de Verão do PSD "no dia em que tiver de aumentar impostos por erros políticos meus ou do Governo, aceito a crítica de que fiz o que não estava prometido". Nem sequer apareceu a dar a cara. Quando chegarem ao fim do ajustamento o país estará em escombros.

quarta-feira, 3 de outubro de 2012

Fados e cigarradas



Bem prega frei Tomás, faz como o que ele diz não faças o que ele faz. Nem vale a pena alongar-me em considerandos, os factos falam por si.

Ao contrário do que prometeu na festa do Aquashow, vulgo Pontal, de que as más notícias seriam sempre apresentadas pessoalmente por ele aos portugueses, Passos Coelho acossado em várias frentes depois do fiasco da TSU, manda agora o ministro Gaspar anunciar as más novas. Enfim, é mais um prego no caixão da credibilidade do primeiro-ministro, tanto mais que as medidas já foram anunciadas na vizinha Espanha...

terça-feira, 2 de outubro de 2012

Ousar lutar...!




Enquanto esperamos a factura dolorosa que o governo preparou para submeter os portugueses à miséria, e de que são os últimos a saber, o ambiente político tem sido preenchido pelos sound bites mais improváveis, desde a fábula da cigarra e da formiga, à rodada de burros passada pelo inteligente de entre os inteligentes, que para castigo não mencionarei o nome. Enquanto o senhor Presidente da República, responsável político número um da barafunda instalada mantém-se desaparecido em combate, calado, quiçá à espera de uma epifania que o guie, aqui ficam duas fotos um pouco improváveis da manif da Inter. Uma retirada daqui, a outra de minha autoria, tirada do telemóvel, onde se vê ao  longe a bandeira da monarquia.

segunda-feira, 1 de outubro de 2012

A barafunda



"Afinal a Gulbenkian não recebeu qualquer apoio do Estado entre 2008 e 2010" [...] Isto isoladamente não teria particular interesse, se não revelasse a incapacidade de Passos Coelho e do seu patético Governo para executar qualquer "reforma estrutural" planeada e séria [...]"

"O mal começa na ideia sbstrusa e popularuncha de um governo de 10 ministros e um enxame de secretários de Estado, que estabeleceu um labirinto de autoridade e competências, em que toda a gente se perdeu e, com uma ou duas excepções, só cinco ou seis pessoas sabem com certa segurança o que andam a fazer. Pior ainda: por cima disto Passos Coelho escolheu algumas das mais distintas nulidades nacionais para presidir à barafunda: duas delas o Álvaro e o Gaspar, que não conhecem Portugal e a administração portuguesa e são os dois desgraçadamente desprovidos da menor experiência política. O despautério da TSU não enfraqueceu o Governo. O despautério da TSU revelou a fraqueza do Governo. O que é diferente."


Vasco Pulido Valente, Público de domingo.


VPV tem dias, mas quando acorda em paz com a humanidade consegue estar à altura das suas melhores tradições.