segunda-feira, 14 de novembro de 2011

O nosso Gaspar

"A ilusão tecnocrática assenta no pressuposto de que só governos não sujeitos ao voto e às pressões partidárias são capazes de implementar as reformas necessárias. 

 

Num momento em que a zona euro caminha para o colapso, parece ter sido encontrada a solução para as economias da periferia: substituir chefes de governo eleitos por tecnocratas. A opção faz sentido. Tendo em conta que se gerou a convicção de que a responsabilidade da crise foi primeiro de Sócrates, a semana passada de George Papandreu, esta semana de Berlusconi e, a crer no que o sempre presciente François Hollande já anunciou, para a semana será de Sarkozy, o melhor mesmo é remover os políticos eleitos que lideram os governos do Sul e colocar, nos seus lugares, técnicos com um perfil acima de toda a suspeita e bem recebidos em Frankfurt."

Pedro Adão e Silva, Um tecnocrata em cada esquina

Nós já cá temos o nosso Gaspar que sozinho põe em sentido todo o Conselho de Ministros, Passos Coelho limita-se a abanar a cabeça para cima e para baixo como aqueles cães  que se viam há uns anos junto ao vidro traseiro nas viaturas de gente de gosto duvidoso.

6 comentários:

  1. temos o nosso Gaspar que adormece meio Portugal e põe o outro meio a dançar.

    ResponderEliminar
  2. Está a ser injusta, Ariel! O Pedro PC também se ri muito quando conversa com o Gaspar. Devem ter umas anedotas novas para a tro(ik)ca.

    ResponderEliminar
  3. A voz de Gaspar, se não é a voz do dono, é certamente a voz do seu mensageiro.
    No que concerne à gente de gosto duvidoso, é mil vezes preferível a esta gente, ela própria, duvidosa.

    ResponderEliminar
  4. A dançar o "vira-te e pira-te" Daniel....

    ResponderEliminar
  5. É verdade Carlos, tenho visto por aí uma fotos em que os dois estão muito divertidos, já tenho em mente um post alusivo a tanta diversão...

    ResponderEliminar
  6. Tem todo a razão Carlos, os gostos duvidosos da malta dos caezinhos não faziam mal a ninguém, para além da poluição visual, claro... , é que por paradoxal que possa parecer vi muitos exemplares em automóveis que estavam longe de ser utilitários.....

    ResponderEliminar